Cidade Gamer 233: Fábrica Gamer – O MMO de Pokemon

  1. Fábrica Gamer - O MMO de Pokemon Cidade Gamer 1:18:53

Sejam bem vindos moradores pixelados do nossa querida Cidade Gamer! No programa de hoje vamos criar no Fábrica Gamer o MMO do Pokemon. Vamos tentar definir como seria um MMORPG baseado na franquia mais vendida de todos os portáteis da Nintendo.

Então vamos direto para o mundo mágico da Nintendo para tentar transformar Pokemon em um Multiplayer Massive Online, vamos falar das classes, regiões, e tudo mais. E pra isso iremos contar o convidado Leo Dratini e da nossa equipe temos Brunno LeonardoVictor Haratani, Bill Ogro e o Prefeito Vivacqua.

Siga no Twitter:

Links do podcast
 Redes Sociais da Cidade Gamer

Coisas boas da Cidade Gamer:

Canecas da The Magic Box

Gostou do nosso podcast? Já conhecia nosso podcast? Já conhecia essas histórias? Não deixe de contar a sua! Adoramos receber emails, e todos aqueles que escrevem são nossos moradores pixelados. Deixe seu recado, opinião e crítica em nosso email, escreva para: podcast@cidadegamer.com.br

Compartilhe a Cidade

Comments

comments

  • Pedro Sukiyama

    Opá, tema do podcast surpreendente. Depois da explosão de MMOs no começo dos anos 2000 o estilo ficou meio saturado, então acho que um MMO de Pokémon cairá no mesmo problema. Portanto, depois deste podcast até que fiquei empolgado. Seria um bom jogo, más o podcast ficou com alguns problemas:
    – O Ditto não gera um pokemon diferente do que foi colocado com ele, como comentado pelo Bruno. E sem falar que não se pode breedar a maioria dos pokémons lendários, na verdade só existe uma exceção. Ele também não poderia ser um pokémon exclusivo de uma classe, porque não queria deixar de usar o Ditto em batalha só por causa de uma classe.
    – O sistema de breed é um pouco mais complexo do que mencionado no cast, ficou faltando o fato de IVs, Natures e Hidden Abilities serem passados por desta maneira, e itens que os pokémons seguram influenciam estes fatores. A chance de se aparecer um ovo quando estão cruzando depende do idioma dos pokémon, em um MMO você poderia colocar uma porcentagem dependendo do pokémon.
    – O competitivo com os IVs e EVs faz com que alguém que jogue acabe fazendo boxs inteiros com o mesmo pokémon (bem, para as pessoas que não usem métodos alternativos para gerar seus pokémons). Com isso, explorar esse fator no MMO é importantícimo, nisto, usar otário-coins para diminuir o tempo de chocar o ovo ou aumentar a chance de aparece-lo pode arrecadar uma série de “dólares”.
    – Ficou faltando as Mega Evoluções, estas poderiam ser exploradas em eventos e campeonatos como no pokémon shuffle. O importante é não deixar o jogo Pay to win, o que acaba espantando novos jogadores, sem falar que em uma batalha o que mais importa é a estratégia utilizada e não tanto o pokémon utilizado, vide campeonato mundial de 2014 em que o campeou utilizou um pachirisu.
    – Classes não seriam a melhor maneira de se dividir os treinadores, seria melhor incluir especializações ou profissões. No fundo, um criador, um professor etc. todos são treinadores, então poderia explorar com o jogador fazendo quests para conseguir novas habilidades ou upar a profissão, mas lógico, você coloca uma limitação nelas, desta maneira fica mais interessante porque os jogadores podem criar uma variedade de treinadores diferentes.
    – Sim, os orientais iriam fazer um milhão de chars somente para breedar ou capturar pokémons, e isto não é um grande problema, porque no fundo o que deve ser explorado são: Os torneios, completar a pokedex, pokemons shines, pokemons com hidden abilities, pokemon amie, as mega pedras, pokemons lendários, itens raros, o torneio de beleza e ataques exclusivos. Ou seja, existe uma outra caralhada de coisas para ganhar dinheiros dos fãns, portanto ficar limitando os jogadores como o WOW limita para fazer ele ficar mais tempo jogando não é a melhor das opções, acho que a melhor opção seria seguir o esquema do shuffle com eventos semanais.
    – O exemplo do Onix não é muito bom, porque ele é um pokemon que não merece o prêmio de ser um “épico” somente porque ele é grande. Existem os pokémons que são difíceis de se capturar ou encontrar e estes merecem o título. Mas, poderia fazer um esquema de MVP do rag com um pokemon “épico” do tipo que existe no mapa.
    – Sim, usar um squirtle com counter e focus sash pode acabar com um groundon, então não retirem isso dos jogadores, um pokemon aparentemente inútil ou da tier NU pode acabar com um lendário.

    Ficou textão, e ainda teria muito mais coisas, como o pokemon amie, os key itens, os HMs, mas vocês mexeram com o meu lado viciado neste jogo e então teria muito mais coisas a falar auhauhau ou seja, esperando para mais casts de pokémon XD

  • Diogo Superior

    eu coleciono pokemons desde sei lá, faz tempo… ainda guardo meus pokemons de 4 gerações atrás na geração atual.