Fábrica Gamer – Sound Design

Bem-vindos à Fábrica Gamer. Notaram a música que está tocando ao fundo? Colocamos uma música no ambiente para alegrar o clima por aqui. Mas não pensem que é só colocar um som bacana e está pronto. Para se escolher algo que fique bom, é preciso fazer algo chamado Sound Design.

Já conservamos aqui sobre vários tipos de design: game, level, art. Porém ficou faltando a parte sonora. É um elemento extremamente importante e que requer toda uma atenção. Para aqueles que são mais velhos, lembram-se do Enduro do Atari? Procurem no YouTube ou mesmo no emulador ver o jogo novamente. Notarão que o barulho do motor é um ruído horrível que não dá para ficar ouvindo mais que alguns segundos. E que tal o jogo de estréia do icônico Mario, onde ele ainda era conhecido por Jump man. No game Donkey Kong, talvez você não repare nos horríveis sons se estiver concentrado jogando, mas quem estiver de fora vai querer colocar o som da TV no mudo. Tudo isso se devia à limitação técnica que havia na época, que fazia com que o pessoal responsável pelo som tivessem que “rebolar” para conseguir fazer algo que ajudasse a criar o clima perfeito para o jogador.

Mario Paint

Na geração seguinte, tivemos uma melhora significativa de hardware, o que permitiu a criação de sons melhores. Porém existia ainda uma limitação bem significativa. Para burlar esses limites houve o grande uso de leitmotif. É uma melodia curta ou um ritmo simples que é associado a um personagem, lugar ou idéia. Por exemplo, se vocês ouvirem a música da primeira fase de Super Mario Bros do NES, lembrarão na hora de Mario. Essa é uma técnica importante para o sound designer que deve usá-la quando for importante para o jogo.

Nos dias de hoje a limitação técnica não é mais um problema. Vemos muitos jogos usando e abusando de trilhas sonoras orquestradas. Voltando mais uma vez ao nosso herói bigodudo do Reino dos Cogumelos, no Wii, no jogo Super Mario Galaxy temos uma trilha sonora totalmente feita por orquestra. Em grandes projetos de video games, é uma opção muito interessante e que dá um resultado muitas vezes magnífico. Em alguns outros jogos, que tem um teor mais agressivo, um rock n’ roll com muita guitarra pode ser uma opção que fique perfeito. Alguns jogos usam músicas licensiadas de artistas famosos, outros acabam tendo sua própria banda para fazer a trilha. Mesmo em projetos menores o uso de uma pequena banda é possível.

 [yframe url=’http://www.youtube.com/watch?v=HNqEfB6IYmE’]

O mais importante para o trabalho de um sound designer é colocar um som que combine com a cena e traga uma melhor experiência de imersão para o jogador. Achar que uma música vai ficar legal numa cena só porque você acha legal é errado. É preciso avaliar se ela tem a ver com a cena e se outras pessoas vão achar legal ouví-la quando estiverem jogando. Tudo isso vale também para os efeitos sonoros e vozes. É um trabalho interessante. Comecem a prestar atenção nos sons dos games que vocês jogam.

Compartilhe a Cidade

Post Author: Cidade Gamer

Sua Morada Pixelada, podcasts de games, vídeos, colunas, matérias textos, notícias e muito bom humor!