Será que jogo videogame demais?

Existe um momento para considerar videogames um exagero?


Olá, gamers!

O papo de hoje é um desabafo. Crescendo com o mundo dos games, foi natural o hábito se tornar um componente da vida diária: acordar, trabalhar, estudar, fazer atividade física e games! Todos os dias existem as doses de jogatina, mas será que é preciso delimitar um total de horas destinadas ao videogame?

Primeiro a obrigação, depois a diversão

O grande responsável pela minha entrada no mundo dos games, desde a era do Odyssey, foi meu pai, que também me ensinou o lema acima. Na infância era escola, estudo em casa e games. Com o crescimento também vieram mais obrigações: estudo mais intenso, compromissos familiares, esporte, trabalho, namoradas, faculdade… A única constante foi a presença do videogame todos os dias.

Levando em conta a máxima de cumprir primeiro as obrigações e depois a diversão, aprendi a colocar os games em momentos oportunos, mas alguns jogos pediam por mais comprometimento. Final Fantasy VII recebia minha atenção total aos domingos, das 7h às 20h; Resident Evil precisava de 2h para terminar sem intervalos e saves; NeverWinter Nights tomava o fim de semana inteiro. Com essas características, não era mais possível cumprir o lema de meu pai, então elaborei outro.

Organize sua agenda

Desde a época da faculdade passei a estudar muito, me tornando professor e treinador. Agora, além de ministrar aulas e trabalhar com treinamento físico, preciso estudar e também manter as minhas sessões de exercício. Em um dia de 24h, cumprir todas as obrigações para depois cuidar da diversão, não é possível! Para isso deixo as obrigações em ordem de importância, levando em conta o prazo limite, mantenho os compromissos diários e separo por volta de 1h30min por dia para os games, sendo que nos fins de semana posso dedicar um pouquinho mais.

Além da agenda organizada, procuro começar e terminar os games que encaro, ao invés de jogar vários simultâneos. Normalmente pego um adventure que precisa de 12-20h para terminar, decido se quero conquistar mais troféus e passo para o próximo. Com isso consigo aumentar meu repertório de jogos terminados e acompanhar os lançamentos ou games que quero jogar. Além disso, deixo em paralelo os jogos de luta, que posso encarar a qualquer momento (Mortal Kombat e Super Street Fighter IV que o digam).

Minha explicação

Tem colegas que dizem sentir inveja, pois no meio da tarde estou jogando videogame; outros falam que tenho muito tempo livre; e os piores afirmam que perco tempo com joguinhos. Na verdade, é preciso mudar a perspectiva. Não são joguinhos, são desafios inteligentes que contribuem para minha sanidade e fazem parte dos meus compromissos diários. Não é falta de tempo, mas sim dificuldade em organizar a agenda que essas pessoas têm.

Por falar nisso, hoje é quarta, dia que dedico 2h para cuidar do Ginásio Gamer, e já está na hora de voltar para o PS3, que me espera com Splatterhouse

@brunnoelias vai platinar esse jogo!

Post Author: Cidade Gamer

Sua Morada Pixelada, podcasts de games, vídeos, colunas, matérias textos, notícias e muito bom humor!