Museu Gamer – Excitebike

Excitebike surpreendeu a todos com sua jogabilidade simples, porém eficiente e acabou por mostrar a todos que para um jogo ser divertido, ele não precisa ter gráficos mirabolantes ou mesmo enredos cinematográficos.

 

Lançado para o NES em 1984 no Japão e no ano seguinte nos Estados Unidos, Excitibike é um jogo de corrida de motocross. No jogo existiam três modalidades de jogo, na primeira o jogador jogava apenas contra o relógio, na segunda ele precisava competir contra adversários controlados pela CPU, já na terceira e mais divertida, o jogador podia criar suas próprias pistas e depois escolher em qual modo gostaria de jogar (sozinho ou contra a CPU). Para jogar Excitebike era preciso um pouco de habilidade, não bastava sair correndo na maior velocidade possível, era preciso saber equilibrar entre os dois botões de aceleração, um deles acelera pouco e constantemente, já o segundo acelerava bastante, mas também aumentava o aquecimento da moto, o que poderia causar um superaquecimento da mesma, fazendo com que fosse preciso para-la e aguardar que a moto esfriasse. Também era possível controlar a inclinação da moto durante os saltos dos obstáculos, isto era importante para melhorar o seu desempenho nas aterrissagens.

O mais interessante era que na versão japonesa do game era possível salvar as pistas, mas para isto era preciso um equipamento especial, o Famicom Data Recorder e que era comercializado apenas no Japão. Se existe um defeito neste jogo é a impossibilidade de jogar com um amigo, mas este defeito seria corrigido em uma nova versão do jogo, que foi lançada apenas nos ARCADES?! Apenas em 1988 chegou ao NES uma versão que suportava dois jogadores, mas para jogar era preciso o Family Computer Disk System, acessório para o NES que possibilitava a utilização de jogos distribuídos em disquetes (bem similares aos de computadores). A Nintendo devia estar de brincadeira, só pode.

 

 

A franquia nunca foi muito explorada pela Nintendo, apenas três jogos se destacam entre a infinidade de ports e remakes, primeiramente, o Excitebike 64 para o Nintendo 64 (2000) que como a maioria dos jogos daquela geração, precisavam ser tridimensionais. Estes gráficos não foram o suficiente bastante para garantir a qualidade do jogo, que por ser em 3D, perdeu totalmente sua identidade. Também pode-se destacar o lançamento de dois remakes, um para o Wii, chamado de “Excitebike: World Rally” e outro para o 3DS, chamado simplesmente de “Excitebike”. Mesmo ambos sendo totalmente em 3D, mantiveram a boa jogabilidade e diversão do jogo original.

Post Author: Vinicius Maciel

Joga video game desde a época que a palavra "ergonomia" não existia no dicionário dos designers de joystick !