Resenha: MDK

Alô galera, estou mais uma vez aqui para falar de um jogo velho e que consumiu muitas das minhas horas “videogamísticas”.

hoje falarei de “MDK” (Murder Death Kill), jogo de tiro em terceira pessoa desenvolvido pela Shiny Entertainment e lançado em 1997.

MDK conta a história de um cara simples que tem a possibilidade de se tornar o salvador do mundo, (história seuper clichê, eu sei), Kurt Hectic (nosso herói), Fluke Halkins (o cientista) e Max, o seu cão robô de quatro braços (!), vivem em uma nave espacial vagando pelo espaço, depois de algum tempo na imensidão do universo, eles descobrem que a Terra esta sofrendo um ataque alienígena o qual esta destruindo todo o nosso planeta. Então o nosso amado cientista cria uma roupa especial, chamada de Coil Suit, capaz de ajudar o nosso mais novo herói na sua jornada de salvar o planeta. A Coil Suit é uma das roupas mais legais do mundo dos video games, já que ela possui paraquedas retrátil, mira telescópica (sniper) e alta resistência a abrasão.

Não importa a fase, mas tudo se resumo a atirar em tudo que se mexe e resolver alguns puzzles principalmente utilizando alguns dos vários tipos de munições diferente que você pode conseguir ao longo de sua jornada. Posso destacar as balas tipo bomba, que saem quicando, as balas que perseguem o seu oponente, etc… Todos estes upgrades são jogados pelo cientisata diretamente na nave e chegam até você através de paraquedas.

Cada fase se inicia com você saltando na da nave e caindo diretamente na fortaleza inimiga, durante a sua queda, é necessário desviar de foguetes que são disparados em sua direção.

Salto em direção a fortaleza inimiga

Gráficos

Com gráficos lindos para a época, MDK foi uma imensa surpresa, possuindo muitos efeitos inéditos (ao menos para mim) tais como: o chão refletir as imagens do fundo do cenário, sombras que mostravam exatamente os movimento do personagens e principalmente o efeito de ter uma “câmera acompanhando a bala em toda a sua trajetória” (disponível no modo sniper).

Esta fase possuía o piso “espelhado”

Gameplay

Com muito humor presente em todos os momentos, MDK sempre tinha alguma coisa engraçada para mostrar, tínhamos os “joões bobos”, que imitavam o personagem principal e distraiam os inimigos, ou então os próprio alienígenas, que nunca perdiam a oportunidade de tirarem sarro da nossa cara, mas para mim a melhor de todas as piadas era a simples e altamente destrutiva granada chamada de “World’s Smallest Nuclear Explosion” e como o próprio nome já diz, a “Menor Explosão Nuclear do Mundo.”

Primeira fase

O jogo também possui alguns puzzles, mas nada que se gaste muito tempo para ser resolvido.

Segunda fase


Para finalizar

Na minha humilde opinião, MDK foi um dos games mais divertidos que tive a oportunidade de jogar e por isso ele recebe a nota quase máxima de 4,5 estrelinhas. O bom humor é o fator importantíssimo elevando sua nota e a falta de dificuldade em resolver os puzzles, não o permitiu que levasse a nota máxima.

Compartilhe a Cidade

Post Author: Vinicius Maciel

Joga video game desde a época que a palavra "ergonomia" não existia no dicionário dos designers de joystick !