Sua Morada Pixelada

Resenha: Shadow Warrior

Recentemente tive contato com o remaster do jogo Shadow Warrior, em sua versão para Playstation 4. O reboot, desenvolvido pela produtora indie Flying Wild Dog e distribuído pela Devolver Digital, foi lançado em 2013 para PCs e passou tão desapercebido quanto o jogo original de 1996.

O FPS noventista foi distribuído pela 3D Realm, mesma produtora de Duken Nuken 3D e usou a mesma engine de seu predecessor. Porém, ao contrário do titulo mais famoso, Shadow Warrior teve melhor acabamento e aproveitou uma versão mais atualizada do motor gráfico.

Shadow Warrior antigo

Já o remake de 2014 para PS4 não recebeu nenhuma adaptação especial, apenas foi portado e, por isso, o aspecto visual deixa a desejar em alguns momentos. Um exemplo é a água tipo gelatina que vemos logo no início da aventura. Entretanto, temos algumas surpresas como templos nos estilo japonês, vilas e ruas bem detalhados.

Personagem sarcástico

personagem principal de shadow warrior

 

Diferente do original, o Lo Wang atual é jovem, enquanto, nos anos 1990 era um senhor de cabelos brancos e mestre em um dojo. Não há uma nacionalidade definida para ambos, já que misturam elementos da cultura asiática em geral em toda ambientação. Porém, todo o sarcasmo e humor do personagem foram mantidos. Ele é uma mistura de ninja e guerreiro. Trabalha para o milionário Orochi Zilla.

O fato é que mantiveram essa premissa na nova versão, assim como todo humor de Wang. Há uma clara influência dos filmes do diretor John Woo, já que os inimigos podem ser retalhados inúmeras vezes e podemos fazer manobras típicas dos filmes de ação.

Do que se trata?

shadow warrior no playstation 4

A história de Shadow Warrior começa com Wang indo até uma mansão comprar uma espada (katana) chamada Nobitsura Kage para seu chefe Orochi Zilla. Entretanto, o atual dono não aceita nenhum tipo de negociação, a coisa engrossa e nosso personagem precisa se defender de uma série de capangas. A base de golpes de espada e disparo de shurikens, Wang chega na sala do chefão e logo é rendido por uma estranha entidade com rosto de coelho.

Depois de um tempo, ele acorda em uma cela feita de bambú e algo surreal acontece: seres demoníacos começam a atacar o local. Com a confusão, Wang escapa, luta um bocado para se manter vivo e faz um pacto com a entidade que o aprisionou. O demônio Hoji concede algumas habilidades mágicas para que Wang consiga completar sua missão. As motivações para essa ajuda são explicadas ao longo do gameplay e não serão reveladas neste artigo (spoilers!).

Armas brancas e surpresas

coração bomba no shadow warrior

Shadow Warrior mistura armas de fogo e armas brancas típicas de um filme de artes marciais dos anos 1990. Os combates são sanguinários, com muita ação e em ondas de inimigos. No decorrer do gameplay, encontramos algumas homenagens ao antigo jogo escondidas no cenário: algumas vezes entramos em salas que são ambientadas no estilo antigo.

A sensação de cortar um inimigo é bem impactante e dá uma certa satisfação, em comparação ao uso das armas de fogo. O protagonista continua com o mesmo humor escrachado de antes, mas é possível perder algumas piadinhas por causa do ritmo de ação frenética das batalhas.

Enfrentamos hordas de inimigos que, quando eliminadas, resultam em até cinco shurikens de pontuação, dependendo do seu estilo de batalha (o que lembra um pouco o esquema de premiação de Devil May Cray).

A forma como selecionamos as magias e habilidades tanto de ataque quanto de defesa que Wang usará é engenhoso e interessante. De acordo a tatuagem que escolhemos, o personagem pode adquirir novas habilidades, lembrando um pouco o sistema do FarCry 3.

Outras coisas inusitadas que Wang pode usar como armas são os corações dos seres demoníacos que se tornam verdadeiras granadas.

Vale a pena jogar?

A trilha sonora surpreende, com canções orientais calmas (que remetem aos antigos filmes de artes-marciais) e sons mais pesados e ágeis no momento da ação. Você pode destruir o cenário, o que é bem interessante. As marcas das armas ficam onde você golpeou, o que demonstra o capricho da produção e proporciona diversão.

Assim como o original, este remake garante horas de diversão e tem uma história interessante. Além disso, há a oportunidade de jogar com um personagem mais forte, bastando iniciar um New Game Plus, o que aumenta o fator replay.

Data de lançamento inicial:   23 de setembro de 2013

Desenvolvedor:  Flying Wild Dog

Estúdio: Devolver Digital

Gênero: FPS, Ação, Plataforma, Aventura

Plataformas: PC (23/09/14), PlayStation 4 (24/11/14), Xbox One (24/11/14), Linux (31/03/15), Mac OS Classic (31/03/15)

Jornalista que gosta de joguinhos e zumbis. Filha do Wolverine com a Mulher-Maravilha. Casada com gamer-otaku e mãe de um Lord Sith.

Compartilhe a Cidade
%d blogueiros gostam disto: