Star Wars – A evolução dos Jogos Parte II

Na primeira parte desse pequeno especial sobre os games da série Star Wars, pulamos quase duas décadas de desenvolvimento e evolução, em que todos os títulos foram sofrendo mudanças e melhorias para atender um novo público e, também, um novo tipo de fã, além dos gamers curiosos. Nessa segunda parte vamos percorrer quase dez anos e chegar sobre o lançamento de The Old Republic.Após o lançamento da série Galactic Battlegrounds, para o deleite dos PC Gamers, a Lucas Arts lançou a série Starfighter, ainda para Playstation 2 e Xbox, fazendo com que os títulos até fossem bem aceitos entre a crítica e os fãs, porém na minha opinião são jogos simples com histórias pouco interessantes, numa tentativa frustrada de resgatar o sucesso obtido em Rogue Squadron e Battle for Naboo.

Chegando a 2003 teríamos o que poderiam ser os melhores anos para Star Wars, nos consoles e PC, com a chegada do MMORPG Star Wars Galaxies, em suas seis versões, em que acompanhávamos os acontecimentos presentes no final do episódio IV e todos os acontecimentos do episódio V, com missões dentro da Estrela da Morte. Mesmo sem muito contato, lembro-me que o jogo foi bem aceito, na época, pois possibilitava que os gamers pudessem ter seus personagens, seguindo ao lado da linha temporal principal, revisitando locais que apareceram nos filmes como também parte do Universo Expandido, porém sinto informar que vocês não terão mais a possibilidade de jogar, pois, os servidores foram fechados em junho desse ano.

Nessa mesma época a Lucas Arts o que, na minha opinião, ocupa o topo como um dos melhores games, junto com os já citados. Knights of The Old Republic e Knights of The Old Republic II: The Sith Lords. Os dois títulos vieram para revolucionar os jogos já feitos, com estilos de exploração, aventura e RPG, ao melhor estilo Dragon Age e The Elder Scrolls, que temos hoje em dia. Com produção da Bioware e da Obsidian Entertainment, no segundo título da série, os gamers tiveram, pela primeira vez, a oportunidade de ter um título da série Star Wars e que fosse ligado ao sistema D-20 de RPG, numa história 4 mil anos antes do surgimento do Império Galáctico.

O brilhantismo desse jogo estava nos vilões e na história, em que Darth Malak e Darth Revan quase exterminaram os Jedis, deixando apenas alguns sobreviventes e você, em sua jornada, poderia terminar em dois desfechos: derrotando o Lord Sith ou sendo subjulgado para o lado negro da força e se tornando um aprendiz de Malak. Detalhe a parte, a história reservada para Darth Revan é uma das melhores de todos os jogos, com uma grande surpresa próximo ao final do jogo.

Mesmo sendo elogiado pela crítica e adorado pelos fãs, a Lucas Arts consegue estragar todo o desfecho dessa história, com o lançamento de Star Wars Battlefront, um shooter em primeira pessoa, que te coloca nos campos de batalha entre as guerras clônicas e que dão origem aos exércitos da Aliança Rebelde e Império Galáctico. Mesmo colocando personagens como Mace Windu, Conde Dooku, Luke Skywalker e Darth Vader, o game acaba decepcionando, por cobrir um período já muito desgastado e utilizado em outros games (inclusive no excelente Galactic Battlegrounds). Lançado para PS2 e Xbox, com continuações para PSP, os títulos ocupam uma das mais baixas posições, agradando, e pouco, os fãs de jogos desse estilo.

Saindo do hardcore e indo para o casual, a Lucas Arts acompanha a grande tendência e presenteia os fãs com a série Lego Star Wars, uma das mais divertidas e descontraídas de se jogar e acompanhar a série de filmes. Com situações hilárias, visual despojado e jogabilidade simplificada, a série Lego conquistou bastante os fãs e introduziu novos curiosos ao meio. Chegando ao final da década, Star Wars consegue um grande título, porém com baixa aceitação, ao lançar Empire at Wars, para PC. Cobrindo os acontecimentos a partir do Episódio IV: Uma Nova Esperança, o título chega para revitalizar e deixar mais sério e hardcore o gênero estratégia, sendo considerado um dos mais bem elaborado, complexo e bonito.

Chegando à nova geração de consoles, Star Wars: The Force Unleashed, traz o que de melhor os games apresentaram, pondo Darth Vader em uma história única ao ter um discípulo. Starkiller, um Jedi sobrevivente, acaba sendo treinado como um Sith e obedece as ordens de Palpatine e Darth Vader, nos acontecimentos entre os Episódios III e IV. Com um gameplay simples, visuais belíssimos e dezenas de referências à outros episódios da série, Force Unleashed é considerado um dos melhores games, pela crítica, ainda mais pela sua história e desfecho. O gancho para a continuação do game, além dos excelentes DLCs, valem cada centavo gasto para conhecer a trágica história de Starkiller.

Mesmo com jogos menos expressivos para os consoles da Nintendo, além da adaptação da série animada The Clone Wars, com jogos voltados para o público mais infantil e casual, a Lucas Arts reserva o seu melhor para o final de 2011, com o lançamento de The Old Republic, dando continuidade com a história vista em The Knights of Old Republic, e Star Wars Kinect, mas falaremos desses dois somente na última parte do especial.
Até lá…
Compartilhe a Cidade

Post Author: Rafael Nery

1) Geminiano e Nerd 2) Adoro usar xadrez 3) Amante de quadrinhos, games, filmes e desenhos 4) Estudioso da cultura japonesa 5) Viciado em literatura fantástica