Visual Novel ainda é um gênero viciante

Sempre que posso tento indicar jogos pouco conhecidos para os amigos. Dentre todos os gêneros que eu gosto, Visual Novel é o que conheço por ser um tanto quanto diferente e até mesmo ter baixa visibilidade dentro do mercado de games, principalmente no Ocidente. Esse estilo surgiu no Japão primeiro para PC e hoje faz parte da grade de lançamentos para os consoles também.

Bijuaru Noberu, como os japoneses pronunciam, são jogos focados no enredo, nos quais o jogador acompanha uma história por meio de textos, músicas e imagens. Muitas vezes dependendo da interação do jogador para poder prosseguir em algum caminho, fazendo uma escolha. Em vários jogos o “destino” do jogador acaba sendo relacionado com as suas escolhas, o mesmo acontece com o desenvolvimento da trama.

O mais conhecido, pelos ocidentais, na minha opinião, ainda é a série Phoenix Wright e 999 – 9 Hours, 9 Persons, 9 Doors. Esses dois foram lançados no grande mercado ocidental e conquistaram um espaço importante, dando a chance para os curiosos procurarem por mais. Recomendo a todos o The Visual Novel Database.

Para os fãs de animê e mangá, Visual Novel é sinônimo de adaptações. Steins;Gate, Evangelion, Air, Clannad, Tsukihime, One Piece, Fairy Tail, Bleach, Detetive Conan, Sakura Card Captor, K-On, etc. Muitas animações japonesas já ganharam sua versão em consoles e PC ou até mesmo surgiram de games, como no caso de Fate/Stay Night, que surgiu como proposta de Visual Novel e ganhou sua expansão para as séries de mangá, light novel e animê.

Para quem não sabe, as Visual Novels tiveram grande influência das Light Novels, pois, os japoneses desejavam expandir suas narrativas indo além dos livros. Desejavam ver histórias originais ganhando continuações em breves e interessantes versões literárias (Light Novels), como também tivesse a interação dos gamers. Esse gênero surgiu como forma de expansão de um universo já existente, ou até mesmo como possibilidade de evoluir uma proposta de leitura.

Não se engane achando que esse gênero é sinônimo de títulos casuais, pelo contrário, muitos exigem atenção e horas de comprometimento para serem finalizados, além de apresentarem inúmeras possibilidades e finais alternativos para cada estilo de gameplay. Visual Novels não são games bobinhos e muito menos “só para meninas”.

Afinal, quem não gosta de ler uma boa história? Imaginem poder participar e decidir o futuro dela? O melhor está no visual e CGs criados para esses títulos, porém muitos ainda só existem no Japão. Fica aqui a minha recomendação para que procurem por títulos existentes, principalmente para Nintendo DS e PSP.

Compartilhe a Cidade

Post Author: Rafael Nery

1) Geminiano e Nerd 2) Adoro usar xadrez 3) Amante de quadrinhos, games, filmes e desenhos 4) Estudioso da cultura japonesa 5) Viciado em literatura fantástica